Arquivo

Archive for janeiro \28\UTC 2012

Você tem medo de quê?

Sempre no final das férias eu faço uma pequena arrumação no meu armário. Jogo fora os papéis inúteis, encontro outros que estão adormecidos que parecem como uma verdadeira ferida que não desejo encontrar no meio de tanta tranqueira, acumulada ao longo da vida.

Tem sempre um caderno velho que mostra o quanto mudastes; aquela letra diferente que escreveu ‘eu te amo’ e não consegue se lembrar quem foi. Outras são pequenos bilhetes e cartas que você guardou daquele sujeito tão especial que apenas dizia: ‘Qual é a resposta da número 3?’.

Inegavelmente me recuso a me desfazer dessas pequenas lembranças e penso em colocá-las num cantinho que provavelmente não vou mexer ao longo de alguns meses. Por outro lado, penso que só retirei tudo aquilo, pois necessitava de mais espaços. Então falo a mim mesmo: “Não tem jeito, vai ter que ir pro lixo. Mas dá uma pena… não tem jeito… tsc!” Seguro mais um estante na minha mão; leio e me recordo daquele episódio, mas jogo no lixo. Continuo a faxina e quanto aparece aquilo que você menos queria ver: Uma herança de um relacionamento mal resolvido. Desconforto indizível! Escondo-a entre os livros que já li e que no momento não são mais úteis. Uma autêntica repressão, nem faço questão de ler. Leia mais…

A importante pré-temporada dos relacionamentos

Assim como em qualquer área da vida, os relacionamentos também precisam de um tempo para adaptação. É importante que este homem e esta mulher que iniciam um ciclo de convivência saibam, entendam e respeitem isso. E não estou falando em aprender a conviver com você, a questão é ainda mais complexa.

Mais do que um período para se organizar para viver em dupla, outro aspecto requer tempo, paciência e até mesmo tolerância do parceiro para que o relacionamento se inicie sem algumas brigas, que não fariam o menor sentido se os dois respeitassem esta adaptação.

E que aspecto é este? Falo dos mini-relacionamentos que os dois tinham antes de se conhecerem – ou iniciarem o namoro. É necessário fechar estes ciclos antes de iniciar um mais forte e que tem a pretensão de ser duradouro. Não entender isso pode ser fatal para o relacionamento num futuro próximo. Leia mais…

Onde está a alma gêmea?

Por Pedro Rodrigues Almeida

A relação entre duas pessoas vem de uma profunda identificação. No fundo da alma existe a imagem de uma pessoa ideal. Muitos passam toda a vida buscando encontrar a pessoal ideal. Na Psicologia Analítica esta identificação se dá entre o ego, a pessoa central e interna da personalidade, com a outra pessoa. Este ego representaria o eixo central da personalidade, diferente da pessoa social, que somos no cotidiano e que exige que representemos vários papéis ao longo da vida, seja de filho, pai, médico ou advogado. É natural que representemos papéis ao longo da vida, porém, é necessário que, para maior bem-estar, centralizemos nossa personalidade neste Ego, fazendo com que ele funcione como o sol para o sistema solar. É um processo árduo que se dá ao largo da vida e foi nomeado pelo psiquiatra Jung como o Processo de Individuação. A partir dessa idéia, poderemos analisar melhor um fato comum em nossos tempos. Leia mais…