Início > Teorias > Prostituição afetiva

Prostituição afetiva

A cama grita e me lembra que estou dentro dela. Não fosse seu sorriso mágico, o sexo ia passando despercebido. Ela é minha cliente. Isso mesmo, eu vendo meu corpo. Mas espere, não me julgue, você é, já foi ou será como eu: um(a) garoto(a) de programa.

Sobre mim, ela baila, brinca, caçoa da minha condição e, deliciosamente, reina absoluta. Sem tirar a calcinha – simbolicamente o muro que nos separa – ela se entrega. Geme. Arranha. Puxa. Pede. Eu? Eu atendo. Estou mesmo é atrás do meu pagamento. Lá fora está frio e eu estou pobre.

Minha mente longe, olhar vazio. Acostumado, aprendi a ir embora sem abandonar a ereção essencial ao prazer alheio. Habilidosa, ela percebe meu distanciamento e apela. Em um só movimento, ela se agacha, crava o salto no colchão e o quadril em mim. Como resistir? A cena me entorpece e puxo com violência seus cabelos. Ela geme libertadoramente.

Poucos minutos e posições depois, gozamos juntos em uma sincronia magistral. “Nossa, você é sensacional”, diz, com a respiração ofegante cortando as palavras. Respondo com um insosso: “você também, meu amor”.

É hora do meu pagamento. Deitada, ela vira e me proporciona uma conchinha que transborda ternura. Como nos velhos tempos. Não entendeu? Do meu lado está minha ex, minha cliente. Foram nove anos juntos. Minhas moedas são essas migalhas afetivas, fragmentos de um passado ainda vivo em mim. Ela tem fome de sexo. Eu, de afeto. Sentimentalmente pobre, vendo meu corpo em troca do carinho antigo. Da conchinha antiga. Do amor antigo. Nem que seja por alguns minutos.

Enquanto eu estiver preso a ela, continuarei sendo seu garoto de programa. Aproveito a fraqueza da carne e atraso minha bomba-relógio em alguns dias. Até quando? Não sei. Talvez até o dia em que ela se cansar. Talvez até o dia em que eu consiga me libertar. Talvez até quando o mercado decidir que é hora de subir de preço. Enquanto esse dia não chega, durmo ao lado do celular e espero, ansiosamente, pelo banquete efêmero da alma. De novo.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: